RORIZ ENTRA NA JUSTIÇA PARA CONCORRER À PRESIDÊNCIA DA FIESP

08/10/2020

Vice-presidente da entidade quer se manter como o candidato da oposição para suceder Paulo Skaf

A disputa pela presidência da Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), que ocorrerá em julho de 2021, chegou à Justiça. O vice-presidente entidade, José Ricardo Roriz Coelho, está recorrendo ao Tribunal de Justiça do Trabalho para se manter como candidato da oposição para suceder Paulo Skaf na principal entidade representante da indústria do país.

Roriz, que quer concorrer com o empresário Josué Gomes pelo comando da Fiesp, teve sua candidatura impugnada pela comissão eleitoral encarregada de dirigir o pleito, marcado para o dia 5 de julho do ano que vem. Após 16 anos à frente da Fiesp, Skaf decidiu que não disputaria a reeleição – após quatro mandatos consecutivos – e deu seu apoio para o empresário Josué Gomes, dono da companhia têxtil Coteminas. Roriz, que ficou à frente da Fiesp enquanto Skaf concorria às eleições ao governo do Estado de São Paulo em 2018, se tornou um dos principais críticos à gestão do atual presidente da entidade.

O candidato argumenta que a forma como a eleição está sendo conduzida é inapropriada e inviabiliza a formação de sua chapa. “É preciso fazer um debate amplo para discutir propostas concretas para a indústria. Busco uma Fiesp mais enxuta, descentralizada e que não represente apenas a avenida Paulista”, disse Roriz ontem ao Valor.

Pelas regras do edital, Roriz teria de apresentar uma chapa composta por 132 nomes para a formação de sua diretoria. O prazo para o registro das candidaturas se encerrou no dia 28 de setembro. Segundo Roriz, o prazo estipulado pela comissão eleitoral para apresentação dos documentos foi muito curto, de apenas 20 dias. “É impossível conduzir esse processo em meio à pandemia, não há como viabilizar toda a documentação burocrática” Ele também contesta o tamanho da diretoria. “Precisamos mudar isso, enxugar custos e discutir uma gestão mais eficiente.” A chapa dele reúne empresários como o presidente da Usiminas, Sérgio Leite, e Ingo Plögger, acionista da Melhoramentos . Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente José Alencar, tem a maior parte do apoio dos sindicatos da indústria da Fiesp.

Dois empresários representantes da indústria ouvidos pelo Valor, sob condição de anonimato, afirmaram que ambas as candidaturas são vistas como positivas, uma vez que sinalizam alternância de poder da Fiesp. A defesa de Roriz vai apresentar amanhã recursos para tentar reverter a impugnação feita pelo comissão eleitoral criada para acompanhar a eleição da entidade. Essa comissão é formada pelos ex-ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Sydney Sanchez e Ellen Gracie, o ex-ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Almir Pazzianoto, o jurista Ives Gandra Martins e a desembargadora aposentada do Tribunal Regional do Trabalho Maria Cristina Mattioli.

O advogado de Roriz, Marcos Taverneiro, do escritório TVF Advogados, também entrou com várias ações na Justiça contestando o edital de convocação das eleições. Duas liminares impetradas por dois sindicatos da indústria que apoiam Roriz foram negadas. Segundo Taverneiro, o juiz ainda não julgou o mérito da decisão. “Essa batalha não vai terminar tão cedo.”

Procurada, a Fiesp informou que não vai se manifestar sobre a impugnação feita pela comissão eleitoral, uma vez que é um órgão independente. Sobre os processos na Justiça, a entidade confirmou que duas liminares impetradas pelos Sindiplast (da indústria de plástico) e Sicetel (de laminação de metais ferrosos) foram negadas pela Justiça. O empresário Josué Gomes e Paulo Skaf não quiseram conceder entrevista. Skaf, que tem demonstrado apoio ao presidente Jair Bolsonaro, é cotado a disputar pela quarta vez ao governo do Estado de São Paulo. Ele concorreu à disputa nos anos de 2010, 2014 e 2018.

Fonte: Valor Econômico
Por Mônica Scaramuzzo — De São Paulo
08/10/2020

Compartilhe